Biografia de Ingo Hoffmann

 

Crédito: AutoMotor

capa

Convite para o lançamento

 

Crédito: Miguel Costa Jr.

tiago_

O autor Tiago Mendonça

 

 

Biografia de Ingo Hoffmann chega às livrarias em março.

 

 

Livro conta a trajetória do ex-piloto de Fórmula 1, doze vezes campeão da Stock Car.

 

O livro ‘Ingo’, biografia autorizada do piloto Ingo Hoffmann, o maior vencedor da história do automobilismo brasileiro, é o novo lançamento da editora AutoMotor. O autor da obra é o jornalista Tiago Mendonça, comentarista da rádio Jovem Pan, repórter da revista Speedway e editor do anuário AutoMotor Esporte, publicação da mesma editora.
Tiago produziu o livro no estilo reportagem, tomando como base um total de 25 horas de depoimentos de Ingo, mais entrevistas de personagens diretamente envolvidos na carreira do piloto e muita documentação histórica, passando por jornais e revistas antigas. Tiago vinha reunindo material para o livro desde que Ingo deixou as pistas, em 2008.
“Procurei o Ingo para propor a biografia autorizada em fevereiro de 2013. Eu tinha muito material, algumas entrevistas já estavam feitas porque eu mesmo produzi para os veículos onde trabalhava, mas deixei a ideia amadurecer. A segunda fase durou um ano, colhendo depoimentos dele, escrevendo e complementando a pesquisa”, conta Tiago Mendonça.
O livro tem 416 páginas divididas em 36 capítulos, narrando a história de Ingo Hoffmann desde a infância, passando pela frustração na Fórmula 1 e detalhando a bem sucedida tentativa de reconstruir a carreira no Brasil. “O Ingo tem histórias maravilhosas e a vida dele é um exemplo de superação. O livro é um presente para quem gosta de biografias”, acrescenta Tiago.
Foram utilizadas 144 fotos no livro e há um caderno especial com 57 imagens coloridas. A edição de fotografia foi conduzida por Miguel Costa Jr. O projeto gráfico e a direção de arte são de Silvio Gurgel. Quem assina o prefácio é Reginaldo Leme, comentarista de Fórmula 1 da TV Globo e jornalista responsável pela editora AutoMotor.
‘Ingo’ também passou pela revisão do experiente jornalista Luiz Alberto Pandini. O livro tem apoio da Mitsubishi, da Pirelli e da MAHLE Metal Leve. Será vendido nas livrarias de todo o Brasil por R$ 39,90. Parte do valor arrecadado nas vendas será destinado ao Instituto Ingo Hoffmann, casa de abrigo às crianças com câncer, em Campinas.
“Eu nunca fui um cara de olhar para trás, sempre pensei muito para frente, para o futuro. Mas acho que o livro chegou na hora certa. Espero que as pessoas possam se divertir e se emocionar com as histórias, porque minha carreira nunca foi fácil, tenho muito orgulho de tudo o que conquistei e acho que a obra ficou muito bonita”, afirma Ingo Hoffmann.
O lançamento do livro será na noite de 24 de março na Livraria da Vila do Shopping JK, em São Paulo, onde Ingo Hoffmann fará sessão de autógrafos.

FICHA TÉCNICA
Título: Ingo
Autor: Tiago Mendonça
Editora: AutoMotor
Formato: 16 cm x 23 cm
Páginas: 416
Lançamento: 2014
Preço: R$ 39,90
DADOS DO LANÇAMENTO
Data: 24/03/2014
Horário: 18h30 às 21h30
Local: Livraria da Vila – Shopping JK
Endereço: Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041

 

Editora AutoMotor
BRUNO VENDRAMINI
(11) 3045-0836 / (11) 97696-8869
bruno@rleme.com.br

Twitter, Jornal ou Mídia Self Service?

Toda vez que penso em Jornal Self Service me lembro do Cacau, um amigo que tinha uma banca de jornais na Rua Veneza em São Paulo. Naqueles tempos eu corria no parque do Ibirapuera e depois da corrida passava na banca do Cacau para tomar uma água mineral.Um dia eu vi o Cacau todo atrapalhado com uma planilha no computador. Ele mexia na planilha e pegava um caderno de um dos jornais, mexia mais um pouco e  pegava um caderno de outro jornal. até que eu perguntei. Cacau o que vc está fazendo? E ele me respondeu. Estou montando um jornal self service, e em seguida explicou. A pessoa vem até a banca e pede: eu quero o divirta-se do Jornal da Tarde,o caderno de economia do estadão e a folha ilustrada da folha de são paulo, aí eu monto essa planilha para saber quantos jornais tenho que comprar para atender o cliente e cobrar um preço diferenciado.Nem preciso dizer que louco por novidades como sou acabei ajudando o Cacau a montar a planilha e fui ficando cada vez mais amigo dele.O que o cacau fazia de modo analógico hoje nos fazemos na Internet. Um dos motivos do enorme sucesso do twitter é que eu posso montar a informação da maneira mais adeguada para mim. Ou seja, posso acompanhar um colunista do Estado de São Paulo, outro da Folha e etc. Mais do que isso, posso ler sobre a Stock Car e ilustrar as matérias com as fotos do meu fotógrafo predileto. Mais que o jornal self service do Cacau o twitter é uma mídia self service. Mas o twitter não é só isso. Ele tb é um comunicador instantâneo sem aquela inconveniência do MSN que deixa as pessoas te perturbarem quando vc está online.

Na minha opinião o twitter está fazendo pela informação o mesmo que o Napster fez pela música. Não é a toa que já começou a gritaria dos jornais dizendo que vão cobrar pelo conteúdo. Veja o link http://www.adnews.com.br/internet.php?id=101609. A  gritaria é a mesma que as gravadoras estão fazendo há muito tempo contra o compartilhamento de arquivos na Internet.

E de novo não é a tecnologia que está errada e sim o modelo de negócio, tanto das gravadoras como dos jornais impressos. No caso da música eu tinha que levar para casa no mínimo 12 músicas para ter a faixa ou as faixas que eu gostava. No caso dos jornais, se quero ler sobre esporte por que tenho que levar o caderno de falecimentos para casa.

Para quem trabalha com avaliação de mídia espontânea como eu o problema é outro. A pergunta do momento é:  Quanto vale um link para uma notícia no twitter?

Quanto ao caderno de falecimentos, confesso que de vez em quando eu dava uma olhada para ver se tinha alguma supresa agradável.

O que é transmídia?

É a palavra do momento nos Estados Unidos, mas ainda engatinha no Brasil.Trata-se da criação de conteúdo para vários meios diferentes. No caso de um personagem, seria ele agindo em todas as plataformas. Aliás esse é o segundo nome da transmídia, muitos preferem chamá-la de multiplataforma.E quais são as plataformas?

Elas podem ser:  uma série de TV, um filme de cinema, uma peça de teatro, uma peça para  a Internet ou um desenho animado.Da mesma maneira que as pessoas usam várias mídias,a campanha elaborada com esse conceito se desenvolve simultaneamente em todas elas.As peças são feitas em episódios que tem uma sequência lógica. Você pode estar assistindo a um programa e no primeiro intervalo comercial assistir ao primeiro episódio de uma campanha, continuar a assistir o programa e no segundo break, assistir ao segundo episódio do mesmo comercial, e assim por diante.Você ainda pode assistir ao primeiro episódio na sua TV, ao segundo episódio na Internet e ser supreendido pela continuação em qualquer outra mídia que você use.

Para superar esse desafio as agências tem recorrido a uma estratégia que tem o nome de “storytelling”, que nada mais é que transformar o intervalo comercial em uma história na qual as pessoas tenham interesse de acompanhar.Essa tem sido a estratégia para criar esse ambiente ao redor de uma marca ou produto. E do jeito que anda a qualidade da programação da nossa TV aberta, estou aguardando ansiosamente a continuação da história no próximo comercial.

Por hoje é só.

E o tempo não passa.

Para certas pessoas o tempo não passa. Vejam só, meu amigo Águia foi convidado para participar do Rally de Regularidade para Carrros Clássicos, que aconteceu em Interlagos no dia 12/12/2009.Prova organizada  e promovida pelo ex-piloto Jan Balder. Pois bem, ele não só foi participar como venceu a prova.Parabéns Águia por ajudar a manter viva a história do automobilismo brasileiro.

Veja fotos do carro vencedor no clube MG.

MG Clube do Brasil 19 12 2009

 

MG Clube do Brasil (2) 19 12 2009

Cavalo de Tróia Tecnológico

tivo Na minha postagem de 02 de dezembro de 2007, eu mencionava um aparelhinho chamado TiVo que tem a capacidade de pular os comerciais de TV.Pois é isso mesmo que o TiVo prometia fazer, e faz. A ironia é que a mesma empresa que prometia acabar com os comerciais, está agora tentando vender espaço em suas telas. A diferença é que esses anúncios são chamados de interativos. Quando se  aperta a tecla “pausa” ou a tecla “avançar”, aparece uma tela convidando o usuário a apertar uma nova tecla para obter maiores informações. Eu considero essa estratégia um belo exemplo de como obter, de graça, a antipatia do consumidor.