CBA

Divulgação238704_451917_image003_web_Treinamento Médico

São Paulo sediou treinamento médico para automobilismo.

Atividade reuniu quase 100 pessoas no autódromo de Interlagos.

O autódromo de Interlagos recebeu na última segunda-feira (3) a quinta edição do Curso Itinerante de Medicina no Automobilismo, atividade desenvolvida pelo Instituto FIA e oferecida no Brasil através da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). Mais de 90 pessoas receberam orientações dos doutores Dino Altmann, Dorival de Carlucci, Pedro Rozolen e Leandro Schimmelpfeng, que deram aulas teóricas e práticas sobre como agir em caso de acidente na pista e como extrair um piloto de um carro.
Destinado a médicos e bombeiros, o curso – realizado pela primeira vez na capital paulista – visa aprimorar os atendimentos médicos em competições do esporte a motor. “A iniciativa do Instituto FIA é melhorar a qualidade do atendimento médico em nível nacional. O GP do Brasil é a meta que temos para nosso automobilismo e o padrão máximo que temos em termos de cuidados médicos. Devemos tentar copiar para os padrões nacionais, e é isso que temos passado aos nossos alunos”, comenta Dino Altmann, líder da equipe médica da etapa brasileira da Fórmula 1 a 14 anos.
Dorival de Carlucci destacou a importância deste tipo de treinamento, que somente neste ano foi aplicado a mais de 250 pessoas. “A FIA quer que a gente tenha equipes de extração treinadas com conhecimento em automobilismo. A ideia é nós disseminarmos o conhecimento para o maior número de pessoas que tenham interesse em trabalhar com esporte a motor. Com isso, temos convicção de que, entre um e dois anos, quem estiver em um evento será alguém que passou por um treinamento e tem uma noção de como trabalhar nessa situação”, diz.
Após receberem instruções teóricas, com a exibição de vídeos e orientações dos doutores, os alunos foram para a pista do autódromo de Interlagos, onde simularam resgates em carros de Fórmula 3, Stock Car, Porsche e dois Audis de competição. “O esporte tem muitas particularidades diferentes de um atendimento de rua: o carro é muito mais restrito ao acesso, a energia do acidente é muito maior, então os ferimentos do piloto são mais graves”, conclui Carlucci, destacando a diferença entre um atendimento em competição e na rua.
O presidente da CBA, Cleyton Pinteiro, elogiou o trabalho desenvolvido pelos médicos e destacou outros programas desenvolvidos pela Confederação. “O ótimo trabalho desenvolvido pela equipe médica do Doutor Dino é mais uma entre as atividades apoiadas pela Confederação Brasileira de Automobilismo, que tem se preocupado em formar mais profissionais de pista”, diz Pinteiro.
São Paulo receberá ainda mais uma edição do Curso Itinerante em Medicina no Automobilismo, que ocorrerá às vésperas da terceira edição das 6 Horas de São Paulo, prova que encerra o Campeonato Mundial de Endurance. A data desta atividade ainda não foi definida.
O Curso Itinerante de Medicina do Automobilismo foi criado pelo Instituto FIA, e no Brasil é promovido pela CBA, com o apoio da empresa de automobilismo esportivo JL e da Rede D´Or Hospital São Luiz.

Confederação Brasileira de Automobilismo      
Relações com Imprensa
Dinho Leme
+55 (11) 3045-0836
+55 (11) 9 8339-7897
imprensa@cba.org.br

Deixe uma resposta